InícioPortalFAQGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Ficha de Ruby Levesk

Ir em baixo 
AutorMensagem
GM Mattos
Administrador
avatar

Mensagens : 226
Data de inscrição : 24/05/2012
Idade : 26
Localização : Ilha do Farol

MensagemAssunto: Ficha de Ruby Levesk   Sab Jan 05, 2013 5:23 pm

pessoal

Nome: Ruby Levesk
Job: Assassina, herbalista.
Classe: FullBringer
Objeto: Luvas de couro.
Idade: 23
Sexo: Feminino
Peso:54 Kg
Altura: 1,68 m

Objetivos

- Tornar seu nome famoso através de trabalhos realizados, sendo como caçadora de recompensas, ou ladra.
- Encontrar os responsáveis pela emboscada que matou o seu mestre.
- Viajar para a GrandLine, lugar que sempre teve curiosidade de conhecer e também o lugar onde poderá encontrar os trabalhos mais bem pagos e que lhe darão mais prestigio.
- Formar um bando de caçadores e no seu tempo treinar um pupilo.



Extras:

FullBringer: Assassin of Kings

Assassin of Kings é a transformação fullbringer das luvas de Ruby, luvas as quais foram ganhas após a conclusão do seu primeiro trabalho e que são guardadas com muito carinho após esse feito. As luvas mudam de aparência, ganhando algumas placas de metal ao seu redor que formam as inscrições N e S uma em cada luva. A cor de ambas muda também, ganhando as corres vermelha e azul respectivamente com as letras N e S sobre elas. As luvas geram um campo magnético que permite Ruby controlar metais ferrosos ou com propriedades magnéticas. O tamanho do campo, sua área de efeito, poder aumentam com a habilidade de Ruby. Fazendo com que inicialmente Ruby seja capaz de levitar, acelerar, e controlar o movimento de metais, ainda sem muito poder interferir na sua estrutura, molda-los ou outros tipos de controle mais poderosos. Sempre haverá um limite de carga que Ruby pode mover por vez, e esse será determinado pelo domínio da habilidade e pelas reservas de energia que ela possuir para se empregar a tarefa.



Afiliação

Afiliação: Hunter (caçadores )
Cargo: Líder. (Após a morte de seu mestre ela é o único membro do grupo)

Atributos

Citação :


Nível: 5 (005/100)
XPTéc: (700 / 700)

Força:2
Habilidade:7
Agilidade:11
Constituição:1
Energia:5
Sabedoria:4

HP: 90
SPtotal: 250
SPturno: 25



Sub-Atributos

Dano:8
Dano Mágico:8
Resistência:2
Acerto:)13
Bloqueio: 13
Esquiva: 15
Intimidação:9
Carisma: 8
Percepção:9





Aparência



essa aparência, apenas não com tantas facas, as vezes ela tinge o cabelo para negro, ou verde escuro. A luva direta possuí aquela proteção no braço para proteger da corda do arco. Não a facas presas na proteção. Além do mostrado ela usa uma capa cinza esverdeado de cores pouco definidas aparentemente desbotadas. Adagas de arremesso ficam presas em um cinto de couro na perna de ambos os lados com capacidade para 8 adagas.



Personalidade

A personalidade de Ruby se divide em dois fatores principais, ou duas personalidades distintas se preferirem. A uma Ruby dos momentos de descontração, quanto não esta envolvida com o se trabalho. Esta Ruby costuma ser alegre, gostar de beber e conversar, jamais fala de assuntos pessoas ou sobre seu trabalho com qualquer pessoa nova, ou recém conhecida. Não costuma falar da sua vida em detalhes muito profundos e quando o faz é sempre uma mentira para desconversar. Costuma relaxar em bares onde pode escutar uma boa musica acompanhada de uma relaxante bebida. Nunca bebe ao ponto de ficar lenta ou desorientada, pois prefere mesmo nesses momentos se manter sóbria o suficiente para cuidar da sua língua e dos perigos que a podem espreitar. Tem gostos simples preferindo sempre locais mais discretos aos bares e restaurantes de luxo. Gosta de ser respeitada e também de aplicar lições em homens grosseiros que possam a importunar.

Sua outra personalidade é quando o assunto refere-se ao trabalho ou situações de caçada ou perigo. Ruby se torna mais seria, fala pouco e procura sempre manter o foco. Acostuma a utilizar uma variada gama de equipamentos para sua sobrevivência e furtividade. Prefere armas brancas que possam ser usadas em combates de habilidade e causar mortes instantâneas já que resistência e vigor físico nunca foram o seu forte. Treinada na arte do assassinato busca sempre ataques letais em áreas frágeis do corpo, como garganta, olho, articulações, ouvido e a base da coluna. Age com cautela, utilizando a leveza e agilidade do seu corpo para se camuflar e esperar um momento certo. Segue os princípios do assassino de apenas aceitar trabalhos ao seu alcance, nunca se arriscar por uma causa perdida, matar apenas o necessário, atacar apenas quem possa ser vencido. Esses mandamentos que Ruby segue e tenta sempre se manter focada neles, embora certas situações lhe exijam outras abordagens, principalmente aqueles onde ela é caçada e não há para onde fugir.

Não importando a situação que esteja Ruby da preferência aos hábitos noturnos, tanto para trabalhar, viajar, ou relaxar.




História

Eu poderia aqui contar a história do meu passado, mas a verdade é que ela não me é de grande importância então vou resumi-la para vocês.

Eu nasci no North Blue, mas não nas principais cidades, nem no continente . Nasci em uma pequena ilha bem próxima ao Calm Beath. Por ser nessa região a ilha era bastante diferente das cidades desérticas que havia mais para cima. O Clima tropical predominava. A população era simples, basicamente agricultores e um comercio básico, já que não estávamos localizados em nenhuma das rotas comerciais daquele lado do mundo.

Eu era órfã, então vivia no único e modesto “orfanato” que havia ali, o qual na verdade era apenas uma senhora que acolhia as crianças de rua. A ilha apesar de pequena e não muito bem localizada era bastante povoada, ou melhor dizendo o suficiente povoada para cada um ter a sua vida sem que todos na ilha o conhecessem pelo nome.

Outras 8 crianças além de mim moravam na casa da senhora, elas não são importante, nem a senhora é já que não aconteceu nada nessa fase da minha vida.

Eu me sentia constantemente entediada naquele lugar, como se faltasse sempre algo dentro de mim. Não conseguia me misturar as outras crianças, eu tinha hábitos um pouco diferentes podemos dizer. Em quanto elas iam brincar na rua todas juntas eu ia pra floresta, procurava animais, me escondia deles e vez por outra matava um coelho. Preparava o bicho lá mesmo e então comia.

Na ultima vez que fiz isso tive a impressão que algo me observava, mas sempre que tentei ver o que era a impressão desaparecia e eu não conseguia achar a causa dela. Andei furtivamente sem fazer ruídos pela mata, e a sensação continuava me seguindo, tentei acelerar, adentrei a parte mais escura, passei em altos arbustos, corri algumas vezes, me escondi no interior de uma árvore destruída tentando me desvencilhar do que seja que fosse.

Eu conseguia sim por alguns instantes, mas logo a sensação retornava. Então ele finalmente apareceu. Até hoje eu não sei porque ele me escolheu, esse assunto sempre foi muito delicado e ele se negava a falar. Meu mestre havia me escolhido, sem dizer muito e sem responder as minhas perguntas ele disse apenas isso: “Você tem talento, se não agüenta mais o tédio venha comigo.” Eu tive um momento de hesitação, afinal quem não teria? Um completo estranho, não muito alto de corpo esguio e uma capa cinza esverdeada que dava-lhe a mistura perfeita com a mata, mas eu o segui. Tentei fazer varias perguntas no caminho, do tipo, quem é você? Porque estava me seguindo? O que quer comigo? Que talento você estava falando? No entanto, a única resposta que obtive foi ele dando uma vaga olhada para cima como se perguntasse aos céus. “Porque os jovens perguntam tanto?” É claro que os céus não responderam, e eu me calei depois disso.


Os anos passaram, e como ele havia me dito o meu tédio acabará. As lições eram dolorosas e duradouras. Ele exigia sempre muito de mim, mas eu me esforçava ao máximo para deixá-lo. Eu não sei quando nem porque, mas eu havia me apaixonado por ele, eu ainda era uma jovem com 15 anos quando me dei conta disso. Eu tentava de tudo, mas ele simplesmente não me notava. Se era de propósito eu não sabia, mas a questão era que eu fazia tudo que ele mandava sem questionar e o mais rápido e melhor possível, tudo somente para ouvir poucas palavras de elogio ou simplesmente um simples sorriso de canto de boca. Eu gostava é claro das lições, acho que eu nasci para elas. Um corpo pequeno e leve, passos macios e desenvoltura. Eu era rápida e bastante habilidosa em caçar e observar, espreitar sem ser notada e também a lutar. Ele me ensinou as técnicas de um assassino, o modo de luta o que se chamava Kentan, treinávamos todo dia pela manha, a tarde e antes de dormir. Eu amava as tarefas, mas naquela fase da vida deixá-lo orgulhoso e contente do meu esforço era tudo o que importava.

Foi nessa época que pela primeira vez ele deixou que eu ajudasse em um trabalho. Até então eu apenas observava a distância a negociação, depois ajudava no planejamento e por fim observava de novo a execução. No entanto, dessa vez fui eu que fui negociar, em nome do meu mestre é claro.

Não aceitavas trabalhos com os quais não concordássemos, ou que fossem fáceis ou difíceis demais. Pegávamos trabalhos dos quais éramos capazes de realizar rapidamente e que não fossem “sujos”. Exemplo matar um homem bom porque a atual esposa quer ficar com os bens e dinheiro só para ela e o amante. Roubar os pertences de um homem honesto. Assassinar o prefeito de uma cidade somente para o partido da oposição poder colocar um de seus homens e roubar dinheiro da cidade. Fora isso, aceitávamos todos os tipos de trabalho, matar um assassino, um ladrão, o prefeito corrupto, o marido infiel, ou o empresário explorador que rouba da população e os usa como escravo, esse por coincidência era o nosso trabalho no momento.

Os moradores haviam escolhido um representante e nos procuraram, eles estavam desesperados para que alguém pudesse acabar com o sofrimento deles de anos e mais anos de exploração. O Ocorrido era mais ou menos o seguinte. O dono de uma construtora queimava as casas da população e depois cobrava uma fortuna para reconstruí-las. È claro que a população não podia fazer nada e se eles próprios tentassem recuperar as suas casas eles eram atacados no meio da noite por Vândalos e espancados até quase a morte, sua casa em construção novamente queimada. A população quase não possuía dinheiro e mesmo que o trabalho fosse difícil e o pagamento junto fosse facilmente acima de 1 milhão de Cons eu não podia fazer isso com eles e sabia que meu mestre não era esse tipo de pessoa, por isso cobrei apenas 150 mil Cons, o que deixou o representante dos morados completamente desnorteado, o sorriso começou pequeno, mas foi se alargando em quanto a idéia entrava na mente dele ele entendia que o preço era barato demais e sabia o que eu estava fazendo, ele não reclamou o questionou simplesmente me deu 100 mil e deixamos os outros 50 para receber depois do trabalho concluído.

Naquela noite vi o sorriso do meu mestre se alargar um pouco mais que o habitual e percebi que o tinha deixado orgulhoso. A muitas outras formas de ganhar dinheiro no nosso ramo, principalmente capturando homens procurados, não precisávamos então extorquir pobres pessoas de bem.

Levamos o dia inteiro seguinte planejando e por fim ele cedeu a necessitar da minha ajuda para a execução. Armamos uma emboscado na floresta por onde a estrada passava, era um dos locais mais escuros da região e por isso se tornava perfeito para uma emboscada.

Não foi difícil concluir o serviço, mas para mim foi bastante incrível aquele dia. Dia o qual ganhei meu primeiro e único presente do mestre. Um par de luvas de couro, sendo a luva direita um pouco diferente da esquerda. A direita possuía uma proteção estendida ao lado do braço, era uma proteção rústica de couro, mas percebi que meu mestre usava uma igual. Quando lhe questionei ele me explicou que servia para proteger o braço da corda do arco, e que nos próximos dias iria começar a me treinar no seu uso.

Os anos se passaram realizamos novos trabalhos e meu mestre foi morto em um trabalho que se mostrou ser uma armadilha. Ele ficou para trás e foi graças a isso que consegui fugir. Passei meses mal pelo acontecimento, eu amava meu mestre de todas as formas e já estava acostumada a viver com ele, de modo que me senti perdida sem ele ao meu lado para me aconcelhar.

Mas, apesar de tudo segui a minha vida e hoje com 23 anos estou a caminho de um novo trabalho, após meses isolada, este é o meu segundo recomeço e agora vou fazer o meu nome.




Reputação

Citação :
Citação :
Apelido:
Título:




Técnicas

Hiding
Spoiler:
 

Knot
Spoiler:
 
Naifu Ri Hoshi - Ai Chi
Spoiler:
 



inventário
Equipamentos: Adaga de combate. ( Vantagem Inicial)
Spoiler:
 
Inventário:
##4 facas de arremesso (dano: 1D6)
Spoiler:
 

##1 arco (alcance 100 metros)

##3 flechas
# flecha de tamanho normal, alcance do arco e dano de 3D4

##3 Frascos de veneno vazios.


##Um saco de viajem (mochila).

##Meio vidro de álcool,

##Uma toalha.

## Capa de camuflagem, necessária para técnicas de ocultação. Com as descrições feitas acima

Cons: 20,000 C

______________________________________





Minha Ficha


Ficha do Evento


Última edição por GM Mattos em Dom Fev 03, 2013 11:52 am, editado 3 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
GM RudolfLT
Administrador
avatar

Mensagens : 154
Data de inscrição : 30/06/2012
Idade : 24
Localização : Valhalla - Asgard

MensagemAssunto: Re: Ficha de Ruby Levesk   Qua Jan 09, 2013 10:43 am

__________

Ficha Aceita
__________


Caso precise de algum parceiro pra assassinatos, dá uma passada no bar do Tom e pergunta pelo Throne ;P

______________________________________


__________


__________


|o Throne o|
|o Evento o|
___
|º Depósito º|
|º Igor º|
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário https://www.facebook.com/EdilsonRudolf
 
Ficha de Ruby Levesk
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [Ficha] - Sora D. Pierre
» Ficha - Lord Lucario
» [Ficha] Ryujin
» FICHA Aurora
» duvida ruby

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Fichas de Personagem :: Fichas Aceitas-
Ir para: